Governo de Malta considera permitir trabalho para estudantes não europeus no país.

Atualizado: 4 de Dez de 2018


Governo de Malta estuda a possibilidade de estudantes de Inglês terem permissão para trabalhar meio período.


As próximas semanas devem trazer boas notícias para os estudantes não europeus que cogitam a possibilidade de estudar em Malta. Com o intuito de tornar o país mais atrativo para intercambistas de fora da União Europeia, o Ministério da Educação do país fala em algumas mudanças neste tipo de visto. Ocorre que no sistema vigente o estudante não europeu não tem autorização para trabalhar no país, o que deve mudar em pouco tempo.

Assim como já acontece na Irlanda, para citar um exemplo, o governo maltês pretende liberar meio período de trabalho para o estudante não europeu ter condições de se manter enquanto investe nos estudos.


Atualmente há duas categorias de estudantes considerados pelo governo em Malta: os acadêmicos de cursos superiores, que se inserem no Malta Qualifications Framework level 5, e os outros estudantes de cursos não superiores, onde se incluem os estudantes de Inglês, o que representa a maior parte do volume de alunos interessados em investir na ideia de estudar naquele país.


As mudanças mais significativas estão relacionadas ao tipo de permissão admitida para permanecer em Malta. Estudantes de Inglês, por exemplo, só serão obrigados a solicitar a permissão de residência se a permanência no país exceder o período de um ano.


Para os locais sem um escritório do consulado do país, os estudantes poderão submeter o pedido do visto sem a necessidade de estarem presentes no país.


Os estudantes também terão a possibilidade de solicitar o visto por meio de prestadores de serviços externos, mas para isso devem morar em países onde Malta não tenha consulado. O Brasil possui um consulado maltês em São Paulo.


O sistema irá garantir que somente estudantes genuínos terão o visto concedido para viajar até Malta. O Ministério da Educação, o sistema de identificação do país e a Polícia maltesa trabalharão de forma integrada para manter uma estrutura de controle junto com as instituições de ensino.



Com essa novidade, muitos brasileiros passam a incluir Malta na lista de possíveis lugares para fazer o intercâmbio. Além de muito bonito, o país tem a vantagem de uma temperatura agradável com dias de muito sol e mar.


Em relação ao trabalho, os estudantes não europeus que buscam um curso com mais de 90 dias poderão trabalhar no máximo 20 horas por semana, começando no seu primeiro ano de estudos. Além disso, estudantes que obtiverem qualificação superior em Malta poderão estender sua permanência no país por mais seis meses.


Ficou animado? Faça um orçamento com a NCI e bons voos.

Por Alessandra Leite

#estudaremmalta #malta #estudoetrabalhoemmalta #nciintercambio #estudarnoexterior

Achou algum erro? Por favor contate Info@nciintercâmbio.com

© 2019 por NCI Intercâmbio.  Todos os direitos reservados a NCI Intercâmbio.  CRO 611045